segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Modernices

Não sei porquê, houve uma televisão que se lembrou de noticiar que, desde 2007, tornou-se crime, em Portugal, um pai ou uma mãe dar uma palmada numa criança. É crime.
E eu, a princípio, não queria acreditar. Mas depois comecei a pensar, e de facto faz todo o sentido. A Suécia foi o primeiro país a fazê-lo, é completamente lógico que a gente vai atrás.
É lógico na mentalidade tacanha do Portugal modernaço de Sócrates. É só Magalhães e GPS's, flexigurança e coisas do estilo.
Temos um país completamente terceiro mundista. Banqueiros corruptos, autarcas corruptos, cunhas e amiguismos às claras, os pobres que se fodam, como sempre. O nosso país nada tem de moderno. É um exemplo acabado do Terceiro Mundo económico, cultural e social. Mas, se não temos modernidade, temos modernices. Continuamos a varrer o que é importante para debaixo do tapete, enquanto metemos um plasma novo na parede.
Nada do que está fundamentalmente errado neste país se resolve, porque quem poderia resolver se está a servir muito bem do sistema implantado. Entretanto vamos dando uma pintura de fachada para enganar o pagode.
Mas a fachada não salva um país, a fachada não torna a nossa vida melhor ou mais fácil. Mas talvez sirva para enganar uns quantos milhões de otários, a julgar pelas sondagens.
A nossa arma é a nossa própria inteligência e o nosso voto. E, olhando para este último, parece que temos o que merecemos.

2 comentários:

ricardo disse...

"Quem ofender o corpo ou a saúde de uma pessoa está a praticar um crime.

Uma criança é uma pessoa.

Logo, quem ofender o corpo ou a saúde de uma criança está a praticar um crime."

Modernice ou lógica elementar?

professor x disse...

Elementar é um filho meu levar uma palmada se tiver que a levar. Felizmente até hoje não foi preciso, mas se eu achar que é, leva sim senhor. Se os suecos acham mal...temos pena...
Deixem de nos comparar aos países escandinavos, pois culturalmente estão para nós tal como nós estamos para aborígenes da Austrália, se calhar mais...