quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Foi pena

Fechadas as candidaturas aceites, o grande Candidato Vieira voltou a ficar de fora. Foi pena, pá.
Mas, como até aqui, serás sempre o meu presidente.
Disseste que só desistias de fosses eleito. Como tal, não desistas, senhor presidente!

Man...

...eu podia perdoar-te seres um merdas, seres um falso livre do PS, um burguês armado ao revolucionário, um capacho do Sócrates, etc, etc.
Podia perdoar-te quase tudo.
Menos o que se passou hoje, que foi tu conseguires levar um baile de 15-0 de uma nulidade intelectual como Cavaco Silva.

Como se dizia no meu bairro: "Olha, fode-te!".

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Ground Zero

A esmagadora maioria dos ministros deste Governo é má, ainda pior que o seu medíocre líder. Mas há uns que, para além de maus, são idiotas.
É o caso de Rui Pereira.
Para quem não sabe, diz que é ministro da Administração Interna. E é um senhor que acha que todos são parvos, tal como todos os membros do governo acham que todos os portugueses são parvos (e são, meteram-nos lá). E este senhor acha também que não tem que falar ou dar esclarecimentos sobre os assuntos da sua responsabilidade política. Depois da rábula dos blindados, que eram "essenciais para a segurança dos cidadãos", e que vinham para a cimeira da Nato e ainda não chegaram, agora já não queremos essa merda para nada. Como passou o prazo da entrega, já não são essenciais para nada. O Estado denunciou o contrato, e bem, embora obviamente nunca devesse ter sequer feito a encomenda. E agora o senhor acha que não tem nada que responder sobre este assunto.

Hoje, pela décima-quinta vez na última semana, recusou-se de novo a falar. Foi a uma iniciativa qualquer absolutamente irrelevante, mas insistia que ali só falava naquela coisa irrelevante que ninguém sabe, nem ele, o que é.

Vejam bem este vídeo, que infelizmente não é a versão integral, e digam-me lá se este senhor não tem, claramente e com urgência, de ser internado...

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Bons exemplos

Neste mundo de downloads gratuitos, cada vez compro menos cds, como toda a gente. Mas a verdade é que até tenho comprado mais coisas em português, o que se explica facilmente: não se encontra facilmente na net; normalmente são mais baratos; e um gajo sempre ajuda um camarada tuga.
Nas últimas semanas comprei o "Romance/Hardcore" dos Corações de Atum, o "Nada a Esconder" dos Tara Perdida, "Are you ready for the blackout" dos X-Wife, "Casa Ocupada" dos Linda Martini, "Madrugada" dos Peixe:Avião e "Deve Haver" de Nuno Prata.
Para além da vitalidade que se vê no aparecimento de boas bandas portuguesas, ouvindo pelo menos estes três últimos nomes, pode ver-se quão grande foi a influência dos grandes Ornatos Violeta, dos quais Nuno Prata foi baixista. Música (quase toda) feita em português, feita de forma não básica, inspirada, dura e doce. Enfim, coisas boas para ouvir, ou redescobrir.

Deixo-vos um tema do óptimo disco do Nuno Prata. Custa 11 euros na Fnac. E vale muito a pena.



PS - JP Simões prepara-se para editar novo disco. Se for tão bom como "1970" será uma compra segura.

Como foder completamente uma boa ideia

Em Portugal só há duas maneiras de fazer as coisas: ou se perde o tempo todo em estudos exaustivos e acaba por não se fazer nada, ou se avança porque sim, sem pensar bem as coisas, e dá merda.
O nosso amigo António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, parece ser partidário desta segunda via.
Vem isto a propósito de, ontem, eu ter passado duas horas entalado num engarrafamento monstro na cidade de Lisboa. Sim, num domingo à tarde.
Eu explico, depois de ter percebido.
Parece que há uma coisa que é a "Corrida de São Silvestre", uma prova de atletismo que, em todo o mundo, se disputa nas primeiras horas de cada ano. Ou seja, logo à seguir à passagem de ano. Em todo o mundo? Não, porque duas irredutíveis aldeias lusitanas - Lisboa e Porto - decidiram que este ano já não era assim: era a dia 26 e à tarde. E mai nada. Infelizmente não choveu.
Atenção, eu acho a coisa um bocado apalhaçada, mas não tenho nada contra. A malta quer correr no centro da cidade? Tá-se bem, força nisso.
Mas já me incomoda um bocado isso me ter feito perder duas horas dentro do carro, a mim e a milhares de pessoas. Tudo por uma simples razão: ninguém avisou que a via mais central e importante de Lisboa ia estar cortada para uns tipos de calças de lycra darem umas corridas. Não só ninguém avisou como, nas ruas à volta, não havia qualquer sinalização. Ou seja, um gajo tinha de cair que nem um patinho na armadilha, de onde só conseguia sair duas horas depois. Se soubesse teria ido de metro, algo que faria se fosse dia de semana ou se soubesse que iam paralisar a cidade desde o Marquês até ao rio.
No meu caso, desci do Príncipe Real até à Alexandre Herculano, para depois atravessar a Avenidade da Liberdade. Mas esta estava fechada, pelo que mandaram milhares de carros para a rua lateral, que só tem uma via. Mais genial ainda, ia-se descendo obrigatoriamente a rua e...éramos obrigados a subir para a Praça da Alegria, que me levou de volta ao ponto de partida, o Príncipe Real. Tirando o facto de eu ter perdido duas horas, entretanto.
Na Avenida da Liberdade eu até vi polícias. Estavam a guardar os cones que tapavam a avenida, para o caso de alguém os queres roubar. Quando, num tom obviamente pouco calmo, perguntei que raio de merda era aquela e se não teria sido melhor avisar os condutores, o senhor polícia zangou-se comigo porque eu não estava a circular!
Eu queria circular, caralho! Eu queria circular para casa! Mas durante duas horas obrigaram-me a circular, a um à hora, num percurso que inevitavelmente me levou ao mesmo sítio!
Desde que chegou à Câmara, António Costa destacou-se por três coisas: tentar equilibrar financeiramente a autarquia (indo aos bolsos à malta), foder ainda mais o trânsito e a cabeça aos condutores (esses criminosos!) e, por último, parvoíces tipo dia sem carros/Red Bull Air Race e coisas assim.
Nas cidades civilizadas também há corridas. E dias sem carros. E concertos na rua, e animação e tudo e tudo e tudo. Isso é bom. Mas também há competência, que é coisa que claramente falta na Câmara de Lisboa. Era simples: era avisar. Mas os senhores estavam demasiado ocupados a descer a rua aos saltinhos, para aparecer na fotografia.
Isto não surpreende vindo deste xamussas. Um tipo que ganhou a Câmara assente na ideia de trazer mais habitantes para a cidade e cuja primeira medida, já eleito, foi aumentar brutalmente todos os impostos (directos e indirectos) que incidem sobre os munícipes. Ele gosta é de circo e palhaçada. E de fingir que faz. A eficiência não é impossível, nem sequer é difícil. É só pensar um bocadinho nas coisas, senhor presidente da Câmara.

Já agora, achei muita piada aos grandes e saudáveis desportistas que, terminada a bela corridinha, se apressaram todos a entrar nos seus automóveis (!) estacionados na zona da Baixa, provocando outro engarrafamento monstro. É bem feito.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Choque de Naftalina

Anda pela Sic Radical um programa de humor chamado "Gente da Minha Terra", da autoria deste tipo aqui ao lado, que parece que tem a barba desenhada a caneta de feltro. O rapaz chama-se Rui Sinel de Cordes, embora eu ao pesquisar na net lhe tenha chamado Rui Cordel de Sines (honest mistake).
Quem já viu o programa, sabe o que o espera: o senhor anda pelo país, visitando localidades, e gozando alarvemente com elas. O que me parece um óptimo ponto de partida para um programa de humor, ou de qualquer outro tipo.
Acontece que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (a bafienta ERC) recebeu uma série de queixas de gente que, só pode, se leva demasiado a sério e se considerou ofendida pelas declarações proferidas no programa. Num deles, piadas de mau gosto sobre o Rui Pedro (a criança que desapareceu há uma data de anos) e sobre as vítimas de Entre-os-Rios. Noutro, sobre os Açores, focou o estereótipo de que naquele arquipélago as mulheres são todas horrorosas, abunda a violência doméstica e que na ilha Terceira há uma concentração anormalmente alta de homossexuais.
Por tudo isto, vem a ERC dar razão às queixas, recomendando à Sic Radical que se abstenha de emitir episódios que ofendam a dignidade humana, etc, etc (a decisão pode e deve ser consultada aqui, é hilariante).
Acontece que a própria ERC, que emprega centenas de tipos pagos com o nosso dinheiro e que na prática serve para muito pouco, cai numa (aliás, várias) contradição muito interessante. Diz que ofende a dignidade do povo da Terceira dizer que lá são todos paneleiros, mas depois acusa o programa de ter um tom homofóbico. Ou seja, diz que o programa dá uma visão negativa da homossexualidade, o que é errado; mas quando isso se aplica a alguém, está mal, porque aparentemente é ofensivo dizer-se que alguém é homossexual. Meus amigos, vamos lá a ver se a gente se entende. Se a ERC considera ofensivo dizer que alguém é homossexual, não estará a própria ERC a ser discriminatória e preconceituosa, e como tal a praticar aquilo que critica?
Mas enfim, esta é apenas mais uma decisão absurda da ERC. É uma espécie de comité bafiento e pidesco, que não faz o que deve fazer (por exemplo, controlar como deve ser o cumprimento da programação anunciada ou os tempos de publicidade ou as perigosíssimas relações entre os media e o poder económico) e se dedica quase exclusivamente a fazer de guardião dos bons costumes. Basta lembrar a decisão de obrigar ao cancelamento da pronografia gratuita na TV Cabo, algo que, de uma penada, fez retroceder a democracia portuguesa uns 15 anos.
O problema de "Gente da Minha Terra" não é ser ofensivo, que até é. E é parvo, estúpido, imaturo, preconceituoso, etc, etc, tudo coisas que fazem boa comédia.
O problema do programa é não ter piada nenhuma.
Suspeito que algumas piadas até podiam ter piada, se fossem ditas/contadas por outra pessoa. O rapaz esforça-se e tal, mas sempre num estilo de puto estúpido que acaba por não agarrar o espectador. Eu acredito sempre que este tipo de humor negro, parecido com o do Bruno Nogueira, por exemplo, deve ser complementado com um tom auto-depreciativo, o que ajuda o espectador a não ficar com a ideia de que está ali um merdas que se acha melhor que toda a gente.
O programa não tem piada, e é apenas mais um exemplo da série de coisas que apareceram depois do boom dos Gato Fedorento. Com a valiosa excepção dos "Contemporâneos" (que também gozava, e bem, com muita coisa) e do Aleixo, tudo o resto que apareceu foi um bocado merdoso. Alguns tinham boas ideias e falhavam na concretização, outras tinham até produção mas falta de material humorístico. Já agora, o Unas sempre foi uma merda, não é de agora.
Mas não ter piada não é crime. Vejo um genial programa como o Daily Show e sei que, se fosse neste oásis de desenvolvimento que é Portugal, a ERC já teria mandado fechar. Porque quer defender a moral e os bons costumes, dos quais acha que é representante, apesar de não ter mandato para isso. Até o nome do seu presidente - Azeredo Lopes - cheira a velho, a naftalina, a Estado Novo.  Há quantos anos os senhores da ERC não mandam uma foda bem dada? Talvez ajudasse...
Para concluir, apenas uma pergunta: como se pode acusar este programa de ofender a dignidade humana e não dizer nada de "Tardes da Júlia", Fátimas Lopes, Gouchas e essas merdas, em que tudo é exploração de tragédia e boçalidade?
Se calhar porque, apesar disso, esses programas servem para perpetuar a ideia de um povo português "pobre mas honrado", "de brandos costumes", "pequenino mas trabalhador", etc, etc. Valores que a ERC, na sua bolha temporal, tanto preza.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Magic the Gathering

As pessoas acusam-me de ser cínico por não cair na patranha da magia da paternidade, de que tudo passou a ser lindo, de que sou uma pessoa totalmente diferente, blá blá blá.
É um bocado lixado focar-me nisso quando hoje, às 9h30 da manhã e depois de mais uma noite em branco, estava na farmácia a levar uma lição sobre as diferenças entre uma sonda anal e um clister.
E mais espectacular ainda: quando finalmente cheguei a casa, a xavala tinha finalmente acabado de se cagar.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Quase que se consegue ver o comprimidinho debaixo da língua


Foto de Daniel Rocha (Público), observada a partir daqui.

Vergonha Mínima Nacional

Há coisas que, de tão previsíveis, perdem a pouca piada que poderiam, hipoteticamente, ter.
A novela do salário mínimo parece um daqueles enredos da TVI, em que desde o princípio já se percebeu o fim mas eles lá vão enchendo o chouriço, com voltas e reviravoltas de enredo que não convencem ninguém. Infelizmente, nesta novela do Governo, há a Helena André em vez das mamas da Rita Pereira ou de qualquer moranguita de 15 anos.

Isto vinha a ser preparado há muito tempo. Perante os sinais que se avolumavam, os cabrões dos jornalistas tiveram a ousadia de fazer o seu trabalho e perguntar repetidamente aos ministros se seria mantido o COMPROMISSO FORMAL de aumentar o salário mínimo para os 500 euros. Todos eles fugiram à questão, atiraram areia para os olhos da malta, enfim, fizeram o que esta malta xuxa está habituada a fazer, tratar todos como idiotas. Para o desfecho que se conhece hoje. O salário mínimo nacional aumenta uns generosíssimos 10 euros, um luxo. E fica 15 euros abaixo do que estava acertado por toda a gente: sindicatos, patrões, governo.
Tudo normal, portanto.
Há várias coisas que merecem ser salientadas neste dia de mais um episódio negro de política "socialista".
Em primeiro lugar a total ausência de Sócrates. Como tem sido cada vez mais comum, ninguém o viu, deixando Helena André e Vieira da Silva a entreterem o pagode com a velha rábula de "quantos ministros são precisos para mudar uma lâmpada/enrabar o povo".  
Depois, a postura tradicionalmente corajosa da UGT. Depois de um devaneio extremista no apoio à Greve Geral, vem agora assinar tudo, dizer que não faz mal, é na boa. E João Proença, esse gnomo da floresta, tem a desfaçatez de dizer, hoje, que "valeu a pena fazer a Greve Geral". Indeed.

Depois, a inefável Helena André. Esta senhora, que nos tempos de juventude/espinha dorsal era uma feroz sindicalista, está feita uma grande ministra xuxalista. Consegue negar todas as evidências, anunciar a morte com um sorriso, cagar com cheiro a malmequeres. Hoje apareceu, toda contente, a dizer que o Governo mantinha o compromisso de atingir o salário mínimo de 500 euros em 2011, tentando com uma vergonhosa questão de semântica fingir que não tinha quebrado um compromisso. Mais uma vez, os inconscientes dos jornalistas perguntaram que raio isso quer dizer. E a senhora, toda abespinhada com a irreverência das questões, lá veio dizer que, até Outubro, isso ia acontecer. Não vou sequer perder tempo a dissertar sobre o valor da palavra de qualquer dirigente xuxalista. Quero apenas reter o ar de satisfação com que ela disse isto, qual "Santa's Little Helper" obesa, ficando indignada por o seu anúncio não ter levado, no mínimo, ao lançamento de foguetes e a um ou outro peidinho de emoção. Agora vai ao cu ao povo, ao contrário do que tinha dito, e promete dar a pomadinha até Outubro. E esta merda deste povo mal-agradecido ainda faz cara feia?!

Por último, o boss dos patrões, cujo nome me escapa. Omitiu qualquer explicação sobre o motivo pelo qual é incomportável para uma empresa gastar mais 15 euros mensais nos salários mais baixos dos seus trabalhadores. Ainda bem que omitiu. A única coisa que digo é: se uma empresa arrisca falir se pagar mais 15 euros mensais aos seus trabalhadores que menos recebem, então que abra falência. Chega de chantagem e de palhaçada. 
Veio explicar o senhor que, nos últimos anos, o salário mínimo nacional aumentou 18%, e que a produtividade não beneficiou dessa melhoria. Voltamos à velha questão. Em todo o mundo, os portugueses são vistos como bons trabalhadores, e em todos os ramos, dos mais simples aos mais qualificados. Ou seja, não temos uma predisposição genética para a falta de produtividade. Mas cá não há produtividade. Será que é porque cá os "patrões" são portugueses, mais preocupados em comprar o novo Mercedes do que em fazer a sua empresa crescer sustentadamente?
Tudo isto, da parte dos patrões e do governo, é apenas a prova que faltava - se é que faltava - de qual o modelo que se pretende para Portugal e para os portugueses. O modelo dos salários baixos, da chantagem sobre os trabalhadores, das falinhas mansas e dos pseudo-compromissos nacionais que aproveitam sempre aos mesmos.

Este é o mundo de Sócrates, esse grande "socialista". Que tem sonhos molhados com o capital. Que vive num mundo de Ruis Pedros Soares, Varas e Mexias, em que os amigos são pagos a peso de ouro, explorando aqueles que, no dia a dia e no contacto com os clientes, trabalham no duro para encher o cu a umas dúzias de CEO's, tipos tão geniais, mas tão geniais que ninguém lhes pega sem ser por favor político. Sócrates, esse pacóvio armado em gestor, vê os de baixo como uma massa homogénea e sem rosto, cujo único papel é trabalhar, trabalhar, trabalhar. Porque, na sua visão mesquinha e provinciana, quem dá valor acrescentado, quem é realmente bom, são os seus amigos CEO. Esses sim, precisam de tudo, coitadinhos. 
Os outros são uma coisa apenas: carne para canhão.

Ainda haverá quem não queira ver?...

Sporting Clube os Belenenses

E a solução é...José Couceiro.

Para quando algo de verdadeiramente revolucionário, tipo o Norton de Matos?

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Fraco Consolo

A minha filha não tem mau-feitio. Apenas herdou a personalidade do pai.

Desnecessário é...

...os Simply Red anunciarem o fim da banda.

Pelo que vi ontem



Ainda não será desta que a minha fantasia sexual de votar em branco se concretiza.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Wiki-Waka

Anda tudo maluco com o Wikileaks. Com as histórias, os fait-divers, os processos do Assange, etc.
A minha posição é simples: estou a adorar e acho tudo muito bem.
Vamos por partes.
No que toca à correspondência consular da rede norte-americana, ou seja, dos seus embaixadores com a casa-mãe em Washington, há ali de tudo: tricas, irrelevâncias e bombas noticiosas de inegável interesse público.
A primeira coisa que me surpreendeu foi ver que, afinal, os embaixadores e quejandos afinal fazem qualquer coisa. Eu pensava que eles era só mamar, dar um cocktail por ano e estava feito. Afinal não. Eles lêem jornais, estabelecem contactos e depois reportam ao governo norte-americano. Já é refrescante saber que fazem alguma coisa, ainda que sirvam para muito pouco. E depois esforçam-se a escrever. Aquilo que me surpreende é que haja alguém, nos states, interessado em ler que o Alegre é um "dinossauro esquerdista" ou que o Cavaco é assaltado por espasmos incontroláveis de cada vez que está na mesma divisão que um bolo-rei. Eu gosto de ler estas palhaçadas, mas acho que é tempo perdido de quem as escreveu e de quem as divulga.
Mas depois há o resto. Os voos da CIA (isto tá tão mal contadinho....), o caso BCP-Irão, etc, etc. Coisas muito relevantes e das quais não saberíamos se não fossem estas "fugas".
Anda muita malta, como o Portas, acenando com o argumento de que os documentos são confidenciais e que a sua divulgação é um crime. É a mesma coisa que com as escutas do Apito Dourado ou do Sócrates a fazer trafulhices. Defendo o que sempre defendi: divulgação total e eles que se fodam.
Uma coisa é a vida privada, e aquilo que se liga exclusivamente a isso. É irrelevante institucionalmente e não merece ser devassada. Outra coisa são assuntos de inegável interesse público, no sentido em que acarretem, ou devam acarretar, uma responsabilização política ou ética/social por parte de titulares de cargos de interesse público.
Como já disse muita vez, a violação do segredo de justiça tem um grande condão: coloca os humildes na mesma posição que os poderosos, no que toca ao fundamental acesso à informação. São incontáveis os casos de Varas, Pintos da Costa, Paulos Pedrosos e Fátimas Felgueiras que tiveram acesso a informação privilegiada, e que com isso beneficiaram. Não vejo ninguém ir atrás disso. Mas quando a violação do segredo de justiça se destina a colocar todos no mesmo ponto de acesso à informação, cai o Carmo e a Trindade. E isto não aceito.
Eu quero saber. Não por curiosidade, não por voyeurismo. Mas porque há muita gente no mundo com muito poder, que ganha muito dinheiro e que tem uma vida muito mais fácil que 99,9% dos outros habitantes. No mínimo, a sua actuação tem que ser transparente e tem que ser conhecida. Porque se não conseguem exercer a sua actividade de forma limpa e clara, que saiam e dêem a vaga a outros.
O mundo anda há demasiado tempo a ser comido à bruta por uma pseudo-elitezinha de merda que vai sempre escondendo a sua mediocridade e o horror do seu comportamento atrás de segredos e regras burocráticas, que não têm, na maior parte das vezes, outro objectivo que não seja perpetuar os cargos, as mordomias e a pouca-vergonha.
Divulguem tudo. Doa a quem doer.  

Cara de Pau

Há várias qualidades que, em teoria, são exigíveis a um primeiro ministro ou a um governo. Competência, por exemplo. Honestidade. Transparência. Responsabilidade.
Pelo menos isto.
Vem isto a propósito das últimas movimentações de Sócrates e sus muchachos no que toca à lei laboral,algo muito bem lembrado pelo camarada Papousse. Tal como tinha já escrito, assim que se começou a falar nesta matéria percebemos todos que algo estava errado e que, de uma forma ou de outra, nos iam foder outra vez. Sócrates esteve em Bruxelas e de lá, da Comissão Europeia, veio a informação de que Portugal ia "flexibilizar" as leis laborais, Ora já sabemos o que isto quer dizer, que nos vão "flexibilizar" a espinha. Mas Sócrates disse logo, já em Portugal, que nada disso. Naaaaa, estamos é a olhar para as regras laborais de forma a estimular o emprego, em várias vertentes.
Ora o que aconteceu?
Só isto: a primeira alteração conhecida é a fixação de montantes máximos de indemnização em caso de despedimento de trabalhadores. Será isto uma medida de estímulo ao emprego? Ou será mais uma medida de estímulo ao desemprego?...
Mais uma vez, temos este cenário: conversa, conversa, conversa, eufemismos e digressões verbais. Mentiras descaradas. A gente pergunta uma coisa, eles respondem outra, arranjam nomes técnicos e parvoíces, sem dar nunca uma resposta clara. E depois vêm as medidas, e aqui temos.
Eu gostava de ter um governo competente. Eu gostava de ter um governo honesto. Eu gostava de ter um governo que falasse a verdade, falasse claro e respondesse ao escrutínio público.
Gostava, no mínimo, de ter um governo que não fizesse de mim parvo todos os dias do ano.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Auto-promoção barata

De borla, aliás.
Se olharem para uma coisita ali à direita vêem que o Vodka existe desde o ano da graça de 2003. Já não é feito insignificante um blog sem tipos conhecidos aguentar-se tanto tempo, nesta época em que o facebook e merdas parecidas ficou com o monopólio do bitaite. Eu sou assim. Gosto de cassetes e discos de vinil. E gosto de blogs.
Feito mais significativo é este ano de 2010 ser o segundo ano mais prolífico da história deste blog, em número de posts, superado apenas por 2004, ano em que muita malta escrevia aqui. Mas não vou lamentar-me. Para mim, o Vodka ter um ano tão forte como este, em termos de produção, é prova suficiente de vitalidade. Sei que quantidade não é qualidade, mas enfim, qualidade nunca foi coisa em que a gente tenha realmente apostado.
Aos nossos queridos leitores, um obrigado pela companhia.

A Rede Social

Algumas coisas são simplesmente erradas.

Error

Cada vez gosto mais da minha mulher. Nunca a vi providenciar mamadas a este ritmo.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Twin Peaks

Aqui há dias tive uma discussão interessante com um amigo, acerca da novela da TVI que ganhou um Emmy, ou um Grammy ou um Gremlin nos EUA. Dizia ele que parecia impossível, que a novela era uma merda, etc, etc.
É claro que a discussão interessante não é, obviamente, esta, mas sim as mamas da Rita Pereira.
Tão revoltado estava o meu amigo com o prémio que só à minha menção das belas mamas da menina ele se atirou de cabeça num daqueles discursos de que as mamas, aquelas belas tetas, são falsas.
Foi isto que ele disse. São falsas.
A discussão terminou da única maneira possível, comigo a chamá-lo de bicha. Não o queria fazer, mas não tive qualquer hipótese. Eu sou um gajo, portanto perante a pergunta "mamas verdadeiras ou mamas falsas" a minha resposta só poderá ser "depende das mamas", "que raio isso interessa" ou "sim, mande vir".
As gajas usam muito este argumento, que as mamas, ou o resto, é falso. As mulheres, esses seres que conseguem gastar guita a um ritmo que desafia os computadores da Nasa em toda a merda que as possa tornar mais atraentes. Atenção, eu não me queixo disto. Prefiro a beleza artificial ao horror ou banalidade natural. Elas gastam em maquiagens, calças que lhes fazem melhor rabo, soutiens que puxam as mamas para cima, cinturas descaídas e o camandro, metade das coisas nós nem sabemos bem descrever. Tudo certo. Mas como podem gajas que tudo fazem para melhorar o que a natureza lhes deu depois virar-se contra as que compram mamas? Bom, a explicação até é simples...
Quanto ao prémio, eu tenho uma teoria. São os cabrões dos americanos, que querem tanto convencer toda a gente que são fabulosos que decidiram escolher uma ganda poia como o melhor da selecção do resto do mundo. Tipo "vejam bem esta merda de Portugal, e isto é o melhor que se fez em todo o mundo! Excepto nos EUA, claro".
Eu acho bem o prémio. Só acho mal é não ter havido um prémio para a Rita Pereira. Se uma merda de uma novela da TVI, que nunca vi e cujo nome desconheço, merece um galardão, não me digam que a menina não merecia uma distinção individual, um premiozinho que fosse.
Aliás, dois prémios, um para cada mama.

ps - aquele tipo lá atrás não é o Bairrão, presidente da TVI? para onde estaria ele a olhar, para a grande qualidade da produção do seu canal?

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Man...baza!

Há duas semanas que ando um bocado afastado de tudo. Mas agora, ao ver as notícias, não posso deixar de me espantar com a extraordinária força da inércia, ou seja, a inabalável capacidade da nossa vida política em mudar absolutamente nada.
Ouço o Sócrates falar, e não acredito que, anos e anos de trafulhices, mentiras e incompetências depois, ele lá continue alegremente a fingir que ainda é um primeiro ministro com qualquer tipo de autoridade. E parece convencido disso, o que só comprova a minha velha teoria de que este senhor sofre de graves distúrbios de personalidade.
A Comissão Europeia diz que Portugal se comprometeu a flexibilizar as leis laborais, o que já de si é extraordinário tendo em atenção que somos um país de salários miseráveis e com a maior percentagem de precários da Europa. Mas Sócrates diz que não, que não combinou nada, só quer fazer uns ajustes.
Depois de tudo, querem acreditar em quem? Quantas mais provas são necessárias?
José Sócrates é o Manuel Subtil da política portuguesa. Barricou-se no Governo, mas não tem qualquer saída airosa possível.

Estado de espírito após mais uma noite em branco

sábado, 11 de dezembro de 2010

Clueless

Descobri agora, através do Público, que quando na preparatória eu chamava maricas ao único miúdo que não jogava à bola estava a praticar "Bullying Homofóbico".
É sempre bom finalmente poder meter um nome aos nossos preconceitos.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Uma pena e venha o futuro

Foi com muita, muita pena que soube do fim oficial dos Da Weasel.
Para mim são, apenas, a melhor banda portuguesa a surgir nos anos 90, juntamente com os Ornatos e, a alguma distância os Clã, de quem não gosto especialmente mas que são muito bons no que fazem.
A primeira vez que os vi ao vivo foi em 1998, numa Queima das Fitas, em Coimbra. Asseguraram a primeira parte de um mítico e muito aguardado concerto dos Violent Femmes, num pavilhão quente e a abarrotar de gente. Estava lá para ouvir os VF, pelo que confesso que não prestei muita atenção à Doninha. Na memória ficou-me um som bastante mau e um puto multado magrinho, de cabeça rapada, a rapar furiosamente.
Voltei a vê-los várias vezes, e os Da Weasel, em palco, foram sempre, sempre bons.
Tenho todos os seus discos, e continuo a revisitá-los. Para mim são uma das poucas bandas portuguesas que conseguiu, de facto, misturar estilos e ser sempre competente, estimulante, e cool. O meu disco preferido é o "Podes fugir mas não te podes esconder", que inclui a música abaixo, "Mata-me de novo". Serviu-me de banda sonora, há muitos anos atrás, a uma fase difícil mas muito interessante na minha vida.
Todos os membros da banda são tipos realmente talentosos, e acredito que muitos deles voltarão a fazer boa música, e não necessariamente nos subgrupos que têm actualmente. E eu vou estar atento.
Mas tenho muita pena.

Post Office

Como qualquer pessoa normal com menos de 80 anos, só vou aos correios quando tenho de ir. O que acontece talvez umas três vezes por ano. Hoje, que tinha que mandar uma papelada por causa da licença de paternidade, e lá fui eu, já com os envelopes preparados. Só faltava meter selo e empurrar para as bocarras das entregas. Tudo coisas que, julgava eu, conseguiria fazer sem necessidade de intervenção humana para além da minha.
Acontece que, ao contrário do que sucedia até há poucos meses, esta estação dos correios, perto da Estefânia, deixou de ter máquina de selos. Antes, era chegar lá, meter a carta na balança, escolher se é normal ou azul (agora há um verde mas não sei para que serve), meter o dinheiro e pronto, saía o selo. Agora não. Agora tive que estar na fila, atrás dos velhos e desocupados desta vida, para chegar ao balcão e dizer: quero mandar estas três cartas. Algo que eu podia fazer sozinho até há poucos meses.
Perante a minha insistência, o senhor do balcão (os gajos do balcão não são tecnicamente carteiros, pois não?) lá me explicou. A retirada da máquina de selos foi decisão, não explicada, da administração. Pus-me a puxar pela cabeça, e veio a razão: é que assim, se não queremos estar na fila, temos que comprar aqueles envelopes dos correios já com selo, que são bastante mais caros. Um tipo que traga os seus próprios envelopes e só queira a merda de um selo, tem de esperar na fila. Neste caso, 20 minutos de espera.

Deve ser isto que eles chamam eficiência. Deve ser isto que eles explicam por "preparar a empresa para a privatização". Eu chamo-lhe prestar um mau serviço.
Porque uma estação dos correios não é uma barraca da feira da Praça de Espanha, a vender canecas, cachecóis de futebol e livros de autoajuda/Júlio Magalhães.
Infelizmente parece.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Mind Games

Com um recém-nascido há poucos dias em casa, o essencial, venho a descobrir, é não perder a calma.
Nos primeiros dias a minha filha estava aparentemente a passar-se; eu fingia estar bem mas estava preocupado que a minha mulher se passasse; ela fingia estar bem mas estava preocupada que eu me passasse. Ou seja, no fundo, a estabilidade do lar dependia da nossa capacidade em manter um bom bluff.
Tendo em atenção que a felicidade desta casa depende, em larga medida, do estado de espírito da minha senhora, digamos que a expulsão de um tal de Nemias dos "Ídolos" foi recebida entusiasticamente por toda a família.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

9

Há uns anos atrás, a SIC Radical era o melhor canal da televisão nacional. Tinha comédia, muita comédia, que é algo que, francamente, me apetece sempre ver, seja a que hora for. Na sua maioria, era parva e divertida, o que é a melhor combinação possível.
Infelizmente, nos últimos anos, parece-me que o canal se descaracterizou, à medida em que ia apostando mais em produção própria, na sua grande maioria coisas não apenas amadoras (o que não é grave) mas intragáveis (vide qualquer coisa feita pelo Unas). A sua comédia agora é apenas parva, e isso não tem piada nenhuma. Qualquer um pode ser um idiota, mas um idiota com piada é um privilegiado e uma benção.
Mas agora anda a dar um programa do cacete. "No Reservations" é, acreditem ou não, um programa de culinária. Em que tudo interessa, tudo, incluindo a culinária. O segredo está no autor/apresentador: Anthony Bourdain, ex-chef e crítico gastronómico, que é só um dos tipos mais talentosos de sempre a fazer televisão. Quem nunca viu, faça o favor de espreitar. O facto de o melhor programa da Radical (reposições sempre agradáveis de Seinfeld e South Park não contam) ser um programa de gastronomia é que já é mais estranho. Fica um cheirinho, de uma noite bem regada de Bourdain, em Paris.

A Voz da Experiência

Ter um filho aumenta exponencialmente a necessidade de pilhas. Para aí umas 30, de tamanhos diferentes.
Ah, e não comprava pilhas há uma data de anos. Elas sempre foram caras pa caraças ou agora são um produto de luxo?

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A Varanda

Entre as vantagens/desvantagens de se morar num bairro típico de Lisboa é, quer queiramos quer não, fazermos parte de uma vida colectiva com os nossos vizinhos. Estava eu, há pouco, a fumar um cigarro na varanda de trás (ah poisé, agora acabaram-se os cigarros indoor), quando disparou, no andar de baixo, o stereo dos meus vizinhos. São uma série de putos, eventualmente estudantes, e a selecção sonora incluiu Green Day dos tempos do Dookie, Offspring e Nada Surf. Ao todo, foram uns 15 minutos de uma espécie de compilação de college rock, que me levou direitinho aos meus 15 anos.
Para qualquer adolescente, a música é, só, a coisa mais importante. Ou devia ser.
Parágrafo.
Quando eu era puto, a música não era só tudo: era uma forma de identificação. Era uma forma de descobrir quem era, quem queria ser, de que lado queria estar. Os meus amigos pertenciam a dois grupos: a malta que jogava à bola, e aí aparecia de tudo, e os gajos que gostavam de música. Quando eu era puto, todos os que gostavam realmente de música gostavam de boa música. Não havia ninguém realmente apaixonado pelos U2, ou pelo Michael Jackson. Quem gostava profundamente de música procurava algo que soasse a autêntico, a sofrido, a verdadeiro, a diferente. Tinha amigos fanáticos de Mão Morta, de Pop DellArte, de Young Gods e de Sonic Youth. Outros fanáticos de Doors, Janis Joplin, Hendrix, Cream e Led Zeppelin. Quando apareceu o grunge, todos os que estavam envolvidos com a música entraram alegremente a bordo. Entre a comunidade heterogénea dos amantes de música, todos começaram a ouvir e a trocar cassetes de Nirvana, Alice in Chains, Pearl Jam, Soundgarden. Pela mesma altura, Green Day, Faith no More, Cypress Hill, Censurados, Guns ou Body Count entraram também nos walkman.
E a verdade é que, chegados à escola, procuravamo-nos uns aos outros, para saber o que se andava a ouvir, se já tinham a cassete que queríamos, se dava para gravar. Havia o nós e havia o eles. Porque não era apenas música. Para mim, simplesmente não era possível ser realmente amigo de um fã hardcore de Dire Straits, por exemplo. Porque, nessa altura, a música era uma forma de estar na vida. E ou querias descobrir ou querias pastar, e eu tinha um orgulho febril em estar entre os primeiros. E foi a música que me fez sobreviver à Escola Secundária de Carcavelos, e que ajudou a moldar quem fui e quem sou hoje.
Obviamente, há muito deixei de ser tão sectário em relação às pessoas. Mas a verdade é que, de todos os meus amigos - mesmo aqueles que fiz já a trabalhar - não creio que haja um que, na adolescência, fosse fã de U2 ou de Dire Straits ou de Madonna.
De alguma forma, a matriz ficou. E a vida sabe o que faz.
Vejo a música que se faz hoje em dia, e tenho alguma pena dos putos. Não sei que raio de música de revolta andam eles a ouvir. E é essencial para qualquer puto decente ouvir música de revolta, do contra, que questione, que lute. Um puto que ouve Katie Perry ou Kings of Leon vai ser, quando crescer, um conformadinho de merda. Pode ser bem sucedido, habituado ao menor denominador comum do mainstream, mas terá uma grande tendência para ser um gajo bastante aborrecido.
Espero, no fundo, que eu não saiba nada sobre os putos de hoje, e que eles andem, de facto, a ouvir coisas boas e diferentes. Não é preciso Dead Kennedys ou Tara Perdida. Mas algo que os faça buscar, procurar e encontrar-se.
Boa semana, minha gente.

 

domingo, 5 de dezembro de 2010

Para desanuviar

Há mais de 15 anos, a MTV passava música, e mostrou-me uma coisa estranha e excelente.

sábado, 4 de dezembro de 2010

News Update II

Quando completo a segunda noite sem dormir a ponta de um corno, o meu coração pensa sempre naqueles queridos papás e mãmãs que dizem "disfrutem agora desta fase, porque eles crescem muito rápido".
Deviam ser fuzilados.
Todos.
Mas primeiro torturados com várias horas ininterruptas a ouvir o Greatest Hits dos HIM, entrecortado pelos gritos da minha filha.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

News Update

E pronto, a Alice já cá está. Passou pelo habitual mau bocado, mas a sua mãe foi um bravo soldado, e cá estamos. Nasceu segunda-feira, e desde então a coisa tem sido uma sucessão bastante rápida de resolução de problemas de curto prazo. Coisas básicas, tipo fralda-mamar-dormir, ou o choro desesperado que, como veio, já se foi. Enfim, o costume, segundo dizem.
É claro que a minha filha é linda, e isto é dizer muito de uma miúda que nem cabelo tem. A única outra rapariga que merecia o adjectivo linda mesmo sem cabelo era a Nathalie Portman num filme qualquer, e que apesar disso continuava 'clearly doable'.
Mas estou a divagar.
Desde segunda que não sei de notícias, nem sequer de futebol. Todo o tempo "livre" é dedicado a uma actividade que alguns humanos gostam, chamada "dormir".
Ou seja, voltarei, mas não sei quando.
Estamos cansados, mas felizes.

Carry on.

Como diria o outro: São grandes homens

A miserável argumentação que, ontem na AR, sustentou os votos contra a proposta de tributação de dividendos não merecerá aqui qualquer replicação, digamos, substantiva. Há espaços próprios, e gente mais séria, para o efeito.Não contem comigo para trabalho tão digno.

O que me leva a escrever um número considerável de palavras (face ao que neste blogue digito) é o expediente da abstenção tomado por alguns deputados do PS na esperança de manter viva a áurea de esquerda moderna que ostentam, garantindo, em simultâneo, o objectivo essencial da respectiva turba parlamentar: o chumbo da tributação de um imposto sobre os dividendos antecipados.

A matéria em discussão e votação não se prestava a meias tintas. Chocam, por isso, mais do que os votos contra, as abstenções de Miguel Laranjeiro, João Galamba e Miguel Vale de Almeida.

O caso de Miguel Vale de Almeida seria, à primeira vista, o mais perturbador, mas a realidade mais actual regista, olhando à sua performance, que a esquerda pôde apenas contar com os seus préstimos em combates na área, digamos, dos costumes - casamentos entre paneleiros do mesmo sexo, ivêgês, e afins mais ou menos anticlericais – o que, não sendo despiciendo, parece, ainda assim, poucochinho para um fundador de um recente partido de esquerda (trata-se, recordo, de um dos criadores do Bloco de Esquerda).
A sua abstenção, assim como dos outros dois camaradas, aparecerá aos olhos dos mais incautos como um exercício, ainda que leve, de irreverência e inconformismo, mas, na prática (e, queiramos ou não, a prática tem nestas coisas capital importância) apenas contribuiu para inviabilizar a proposta do PCP, salvaguardando os interesses de quem, além de rechear os bolsinhos com muitos e muitos euros, costuma encher imoralmente a boca nos Prós e Contras e SIC Notícias desta vida em clamores por cargas maciças de austeridade sobre quem trabalha e sobre quem menos tem. Tudo em nome da pátria, confiando que a fórmula proclamada, de tão antiga quanto liberal, revele o caminho da redenção.
Conforme a fotografia o documenta: é esperar sentados.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

domingo, 28 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Boa Sexta-Feira, minha gente!

O verdadeiro contra-senso é...

...Lingerie sexy para grávidas.

PS - e sim, vou pagar cara esta piaducha.

Saquinhos



Para vomitar

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Submissão

A 5 de Julho, José Eduardo Bettencourt anunciava a venda do seu capitão de equipa a um clube que, em teoria, é rival. E, procurando escamotear a sua própria responsabilidade, atacou o jogador que sempre, dentro de campo, deu tudo pelo seu ridículo clube. Moutinho era uma "maçã podre", disse JEB. Que ainda arranjou tempo para elogiar o comportamento do seu homólogo portista, um tipo que não apenas foi apanhado nas escutas a gozar alarvemente com o próprio JEB como é presidente de um clube que perdeu pontos por corrupção de árbitros. Agradeceu o comportamento de Pinto da Costa, que se portou "com toda a lisura", porque lhe ligou a dizer que não avançaria com a contratação se o Sporting não autorizasse. Ora tendo em atenção que o jogador foi transferido abaixo da cláusula de rescisão, quem quer que o contratasse só o poderia fazer com a autorização do Sporting. Ou seja, JEB aproveitou apenas mais uma oportunidade para dobrar a espinha ao seu aliado, como se já não fosse suficiente assumir a sua menoridade ao vender a um suposto rival o seu capitão e símbolo do clube.
Ora agora, apenas quatro meses depois, JEB fala de maneira diferente de Moutinho. Quando questionado sobre a reacção previsível, em Alvalade, a um jogador contra quem ele tentou colocar todos os sportinguistas, isto é o que ele tem a dizer: "O João Moutinho, enquanto profissional do Sporting, foi sempre fantástico. Enquanto vestiu a camisola do Sporting, e até na última vez que actuou neste estádio, fê-lo sempre com profissionalismo. Não gostaria de ver atitudes menos correctas em relação ao João, que é um profissional que hoje representa outro clube, mas que durante muitos anos foi nosso."

Ora que bonito. Isto vindo de um tipo que pediu uma recepção agressiva a Simão Sabrosa. Que não saiu do Sporting para um clube rival. Que saiu a bem, deixando muito dinheiro em Alvalade. E que, nesse jogo em relação ao qual os responsáveis(?) sportinguistas apelaram à violência, representava o Atlético de Madrid.

Isto mostra bem, para quem tivesse dúvidas (cegos ou sem vontade de ver?), que há um clube corrupto e um clube submisso. Um clube submisso, o Belenenses do Lumiar, que com tanta cegueira ataca o Benfica que se afunda cada vez mais na sua irrelevância. Incapaz de se afirmar por si próprio, apenas encontrando identidade na oposição ao maior clube português, enquanto continua conivente com quem, comprovadamente, prejudicou todos os clubes nacionais, e a verdade desportiva, durante uma década, pelo menos.

Fica claro que há um inimigo e um aliado. Curiosamente, o aliado é quem ganha (quase) sempre, mas já percebemos que para o lado dos submissos isso de ganhar ou perder é relativo (mede-se sempre pelo panorama no outro lado da segunda circular).

Quanto ao JEB, nem esta incoerência gritante mostra mais do que já sabíamos. Que esteja muitos anos à frente do Belenenses do Lumiar, é o que lhe desejo.

E, pronto, sei que já meti aqui este vídeo, mas é tão bom que merece um replay.

Bom resto de semana, minha gente.

Fado

20 cantos contra 4. O triplo dos remates. Mais posse de bola. Mais tudo.
E perder 3-0.
Neste momento, em que me encontro profundamente desgostoso, a reacção natural é questionar tudo, mudar tudo, mandar tudo de fora e fazer de novo.
Não é o caminho certo.
É evidente que algo correu mal, e que tem de ser corrigido. Faltou cabeça, a puta da pontaria e, claramente, sorte. Basta ver que os dois primeiros golos do Happoel surgiram de duas carambolas na nossa área. Mas a verdade é que tivemos 20 cantos, e não houve uma puta de uma carambola para o nosso lado. E um golo mal anulado num momento decisivo do jogo, etc, etc.

É uma coisa que acontece uma vez em 100, este resultado com este jogo.

A equipa tentou, lutou, jogou. Não merecia, claramente, este desfecho. Mas a verdade é que começo a ficar cansado do azar, do ressalto, do árbitro. Há alturas em que tudo corre mal. Eu sei, como adepto já passei muitas temporadas a ver isto. Mas também sei que há coisas que não podem acontecer. E perder 3 jogos fora, não marcar um único golo...não podemos dizer que é injusto.

É duro, é cruel, mas enfim. Liga Europa, não temos pedalada ou personalidade para mais.

Neste jogo, não vale a pena atacar o Jesus ou os jogadores. Os deuses não estavam connosco, é tudo.

É perceber que foram cometidos erros, desde o início da época, mas que também tudo está a correr mal, quando tanta coisa depende de a bola ir 10 centímetros mais ao lado. Mantenho confiança na equipa e no treinador. Há que estar unidos e reagir. Porque realmente há uma malapata em cima desta equipa.

Coisas dispensáveis

Mulheres que tratam as outras por "Ó Grávida!".

Eu, a Besta

Num jantar entre velhos amigos, esta noite, obtive, de duas pessoas diferentes, a mesma reacção, quando respondi à pergunta:
"Vais assistir ao parto, certo?".
E não, não vou.
E as pessoas fazem a pergunta como que dando-me apenas a hipótese de brilhar, porque é óbvio para toda a gente que eu vou assistir ao parto.
Mas não vou.
E quando digo isso fica tudo com uma cara um bocado parva, procurando não me censurar abertamente mas fazendo-o claramente.
E também não fui a qualquer aula de preparação de parto, nas quais os homens são tratados como castrados irrelevantes. E, ao contrário da grande maioria dos meus amigos, a minha filha vai nascer num hospital do Estado.
E a verdade é que não tomo qualquer destas decisões só para ser diferente ou do contra. São decisões suficientemente importantes para serem bem ponderadas. Apenas acredito que devo pensar, eu, no que quero. É bastante simples.
Sei que, ao não assistir, estou a perder a hipótese de assistir àquele momento, mágico acredito, do primeiro momento em que verei a minha filha. E que não estarei ao lado da minha mulher todo o tempo, dando-lhe apoio. Mas ela será apoiada, e isso é que é importante.
Parece estranho para toda a gente que eu, na minha cabeça, não queria misturar os conceitos da minha mulher enquanto objecto de desejo sexual e de parideira. Que não me agrade especialmente ver a minha mulher sofrer durante 15 horas. Que não me agrade estar presente quando um batalhão de pessoal médico e mais uns quantos estudantes de medicina lhe espreitam pelas pernas acima.
Para que conste, a coisa foi assim: Disse-lhe que, por mim, não estaria presente. Mas que, obviamente, se ela me quisesse lá, eu lá estaria, de corpo e alma. Ao que ela respondeu que assim seria melhor, porque ela gostaria de ter consigo a sua mãe. Que é alguém em que eu confio inteiramente. End of story.
Mas pronto, sou um animal, um insensível e um antiquado, porque agora o "moderno" é o pai assistir e fazer de flor de lótus nas aulas de preparação. Não tenho nada contra, para outros. Que cada um pense por si, e aja de forma consequente.
Eu vou ser a besta, cá fora, a fumar desalmadamente.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Fine Line

Espero sinceramente que a minha filha não nasça amanhã. Não gostaria nada que o seu primeiro acto fosse furar uma greve.

sábado, 20 de novembro de 2010

Apoio Oficial

O Vodka apoia, naturalmente, o Candidato Vieira. Mas eu não sei mexer nisto e meter lá em cima uma daquelas coisas a dizer "Este blog apoia o Candidato Vieira".
De qualquer forma, é assim.
Deixo-vos aqui, uma reveladora e imperdível entrevista com the man itself: o Candidato Vieira, Lello Minsk, Lello Marmelo, Manuel João Vieira, Orgasmo Carlos.
Check it out (E TRATEM DA MERDA DAS ASSINATURAS PARA O HOMEM PODER CONCORRER!!!).

A NATO

Ao contrário de toda a gente em Portugal, eu não tenho opinião alguma em relação à NATO. Como esquerdalho, devia estar do lado das manifestações contra, dos gajos que partem montras e andam à porrada com a bófia. Mas eu não sei o suficiente sobre a NATO para ter uma opinião.
Atenção, não tenho nada - antes pelo contrário - contra partir montras e mandar calhauzada à polícia e aos políticos. Acho que este país está a pedi-lo há muito tempo e seria refrescante fazê-lo, para que alguma malta percebesse que, se calhar, temos meio colhão, por conjunto, neste país. (Não temos, estou só a dizer que eles podiam pensar que sim).
Para mim, a NATO é uma organização politico-militar que agrupa a malta que, em teoria, é mais ou menos do nosso mundo, o ocidental. Na verdade, depois da Guerra Fria, a NATO só pode servir para uma coisa: para servir de garantia de músculo contra o seu único inimigo comum: o mundo islâmico, ou melhor, os seus milhões de extremistas. Agora, como é óbvio, ninguém pode assumir uma coisa destas.
Eu queria achar que os tipos da NATO são uns fascistas de merda. A sério.
Mas não sei se são.
Se o Amarelo ainda por aqui andasse, de certeza que trazia as suas sandalinhas e paus de incenso e nos explicaria tudo muito bem, mas assim....

Respeito, muito respeito

"As instituições do Estado e tudo quanto representam, incluindo o hino e a bandeira, são símbolos de uma sociedade iníqua e injusta contra a qual tenho lutado toda a vida. Não tenho qualquer respeito nem pelas instituições nem pelo que elas representam" - José Mário Branco, in DN.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Crime

Estou nesta casa há quatro meses mas, neste espaço, foi visível uma escalada assustadora.
Ao fim da minha rua, à porta da igreja de Arroios, todos os dias é feita a distribuição de comida de vários tipos, aquilo que se costuma chamar de "Sopa dos Pobres".
E a verdade é que, neste período de quatro meses, é visível o aumento exponencial do número de pessoas que recorre a esta ajuda. Se, no início, eram sobretudo sem-abrigo, agora vê-se de tudo. Muitos idosos e, sobretudo, muitas pessoas à volta dos cinquenta anos. Que se escondem com vergonha, que rondam a fila até sentir a fome a apertar, até cederem e enfrentarem a realidade de que, sim, chegaram a isto. Viver de comida oferecida na rua.
E é por isto que, quando ouço os políticos falar na televisão, com os seus bons fatos, bons carros, assessores e tudo o mais, usando palavras caras e ocas que nada produzem, nada acrescentam, nada resolvem, me dá uma raiva que não consigo explicar.
Não é acordos de governo. Não é gabinetes com vista ou motoristas que servem Ferrero Rocher. Não é dinheiro. Nem sequer é poder.
A sua missão é não deixar o nosso povo dormir e comer nas ruas.
Não falharam essa missão apenas por negligência. Falharam por desprezo por tudo o que não seja o seu interesse próprio.
Não são apenas políticos incompetentes. São criminosos, e como tal deviam ser julgados.

PS: todas as noites, os voluntários, gente como nós mas melhor do que nós, apanha o frio e trabalha, para dar de comer aos que nada têm. Esta gente, que não pede nada, merece tudo.

Para quem ama tanto o Sócrates como eu

É só clickar aqui e desfrutar.

Facto



Ironia é, neste país e neste momento, eu ir chamar a minha filha de "Alice".

Normal

A sra Fátima Felgueiras foi condenada, por corrupção, a três anos e três meses de pena suspensa. Isto depois de ter fugido para o Brasil, após ter sido avisada da investigação, país de onde deu entrevistas a dizer que fez muito bem em bazar por causa da nossa Justiça
Agora vem dizer que está indignada e que se sente prejudicada porque ainda não foi julgado o recurso que interpôs.
De facto, se há alguém que tem moral para se queixar da Justiça é esta brilhante autarca.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Reminder

É só para lembrar os senhores das lojas e dos supermercados que, NÃO CARALHO, AINDA NÃO É NATAL!

                                                             
                                                               Mas, por outro lado...

Melhor que o Vital Moreira a fazer rafting...

...é o Vital Moreira a fazer-se de socialista.

De cabeça perdida

É Edite Estrela que chama nomes a Ana Gomes (provavelmente a única vez na vida em que concordei com Edite Estrela). Esta diz, em reacção, "só me posso rir".
É Vital Moreira, o homem cuja imagem de calças de lycra a fazer rafting no Rio Minho nunca sairá da minha mente, a dizer que há que remodelar o Governo, começando por Teixeira dos Santos.
Depois é Vital Moreira a dizer que não queria dizer isso, as suas declarações (em artigo de opinião escrito por si!!!) foram mal interpretadas.
Luis Amado, com aquele seu ar de herói dos Lusíadas, diz em entrevista ao Expresso que devia haver uma coligação governamental, um governo de salvação nacional. E que, por ele, até dá a vaga de ministro.
Depois diz que não disse isso, e que está muito motivado para o seu cargo.
Sócrates aproveita e, na única declaração que fez numa semana, mente com todos os dentes, dizendo que o Governo quis e tentou uma coligação governamental.
Teixeira dos Santos diz que há um risco elevado de Portugal ter de pedir ajuda ao exterior. No próprio dia diz que não disse isso.

É sempre bom ver que, num momento de crise, o nosso Governo não está de cabeça perdida.

Estão a falar a sério? É esse o vosso plano para resolver a crise?...

Timor-Leste pode comprar dívida pública portuguesa.

Descubra as diferenças

Há um "risco elevado" de termos de pedir ajuda ao exterior - Teixeira dos Santos

Obras do TGV arrancam já em Janeiro - António Mendonça

domingo, 14 de novembro de 2010

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Olha as mamas!

Bom, tendo em atenção que os dois últimos posts foram sobre mortos, achei melhor aligeirar o ambiente. Esta senhora por acaso até já deve ter morrido, mas enfim, merece sempre ser relembrada.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O derradeiro Adeus

Morreu o Senhor João Serra, que por todos, e por mim também, era conhecido como "O Senhor do Adeus". Para quem vive ou trabalha nesta triste e fabulosa cidade de Lisboa, era uma figura incontornável.
Acenava, acenava, acenava. De sorriso estampado no rosto. Nunca falei a sério com ele, passei quase sempre de carro, e acenava sempre, e quando ele estava distraído e não retribuia, apitava, e lá vinha o sorriso e o aceno. E quando o apanhava num semáforo, abria o vidro e desejava-lhe boa noite. Ele retribuía.
Bastava isso.
Era um símbolo de calor e de humanidade numa cidade cada vez mais desumana, cada vez mais abandonada, cada vez mais fria. Fazia-me sorrir, e sentir bem por dentro.
Esta noite, mais de 100 pessoas juntaram-se num dos seus poisos habituais, a praça do Saldanha, e acenaram aos carros.
E isto, nos dias que correm, comoveu-me.
Foi o gesto derradeiro deste homem. Juntar pessoas na rua, acenando. Comunicando.
Obrigado, João.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Foi há um ano

E não esquecemos.

Mais uma vez...

...queria apenas salientar que, enquanto Teixeira dos Santos, Vieira da Silva e um batalhão dos Sapadores de São Bento passaram o dia a afastar o FMI e a tentar vender a merda da dívida portuguesa a qualquer pacóvio, José Sócrates continua caladinho que nem um rato, e estava no Alentejo a inaugurar um lagar de azeite.

O que vale é que este país é tão espectacular que funciona em piloto automático, e se pode dar ao luxo, neste momento, de ter um Primeiro Ministro dedicado a uma "never ending" campanha eleitoral.

Era só.

Fim de festa

A União Europeia está, claramente a cair aos bocados.
É como um grande almoço de família.
Temos que convidar todos, mesmo aqueles de que não gostamos nada. A meio, uns mais desvairados não sabem comer à mesa (os chamados PIGS, os porcalhões). Os patriarcas, as Merkels desta vida, vão torcendo o nariz, fingindo não ver, mas ficando cada vez mais incomodados. Por último, os gregos e os tugas acabam a refeição com mousse com cheirinho e umas valentes aguardentes, enquanto Sarkozy e Merkel se ficam por um prosaico descafeínado, suspirando de alívio por este tenebroso almoço colectivo estar perto do fim.
Mas eis que chega a conta.
Tugas, gregos, espanhóis e irlandeses, grossos que nem cachos querem, naturalmente, dividir a conta por todos.
Merkel explode de indignação, que não está para pagar os vícios destes selvagens, ela que nem pão com manteiga papou. Cada um paga o seu! Estes ranhosos de raça inferior!

E é assim.
Nunca gostámos muito uns dos outros. Mas chegada a conta, é cada vez mais difícil de disfarçar.

Cara de pau socialista

Normalmente, o meu estilo é sempre o mesmo: eu meto uma citação ou uma notícia, depois critico e pronto.

Mas a declarações de hoje de Almeida Santos, esse fóssil traidor do socialismo, dispensam a parte da crítica.

Passo a citar:

"Mesmo assim, eu acho que o Governo, sendo um Governo doloroso para os portugueses, é um bom Governo para o país. Toda a gente diz que é um mau Orçamento. Eu tenho dito que é um bom Orçamento porque é o que o país precisa. Implica sofrimentos para as pessoas, mas não é por isso que ele é mau. Infelizmente temos mesmo de pedir às pessoas que assumam sacrifícios, porque os portugueses têm vivido quase sempre acima das suas possibilidades e têm de regressar a viver dentro das suas possibilidades, para não termos crises financeiras como a que agora temos".

É isso. Eu sempre soube que a culpa era minha, e não vossa. Obrigado por me explicares de maneira a eu perceber.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Fooooooda-se, invejosos, não podem ver nada!!

O Estado Social

O secretário de Estado da Administração Pública, um tal de Gonçalo Castilho dos Santos, veio hoje admitir, a contragosto, que afinal é verdade que o Estado vai cortar os benefícios da ADSE. E mais, vai dar a possibilidade aos beneficiários da ADSE, 1,3 milhões de pessoas, de optar por abandonar este sistema. Na prática, abrindo dois caminhos: empurrando a malta para o privado; ou empurrando a malta para sistema geral do Sistema Nacional de Saúde, que como sabemos está em extremo desequilíbrio financeiro e a rebentar pelas costuras (600 médicos reformaram-se no último ano, por exemplo).

Mas tenho a certeza de que, certinho como o destino, vamos voltar a ver o grande camarada Sócrates agitar a bandeira do salvador do Estado Social.
A cara de pau xuxalista não tem fim.

Homenagem

Aqui há uns dias, a japonesa Sony fez um triste mas esperado anúncio: vai deixar de fabricar um dos seus inventos mais populares, o walkman.
Toda a gente teve um walkman, e toda a gente queria ter um walkman. O meu era parecido com o desta imagem, e estava sempre a ficar sem pilhas. Mas eu adorava-o.
Podia dizer muitas coisas acerca deste objecto tão marcante, que tão bem me acompanhou. Mas não o saberia fazer melhor do que o artigo de hoje do Público, esse jornal que insiste, apesar de tudo, a reservar-me bons momentos de leitura.

Aqui fica:

"Não é propriamente o fim do walkman, que nunca trocaríamos hoje por qualquer um dos seus incrivelmente mais práticos e eficientes descendentes, que se celebra com nostalgia; é o fim de mais um bocadinho da adolescência da geração nascida na década de 1970, quando a vida era ritmada pelo rodar infatigável de cassetes de 90 minutos com um álbum de cada lado - cassetes onde, quais camadas de experiência, se ouviam ainda os álbuns que ali tinham estado antes, preservados na fita como ruído de fundo espectral que se revelava no silêncio dos intervalos entre canções (perceber que ouvíamos Nirvana ou Black Sabath onde antes tinham estado Brian Adams ou os Dire Straits, era sinal inequívoco que caminhávamos na direcção certa, a caminho da iluminação)" - Mário Lopes, in Público

Perdido por 5, perdido por mil

Momento "Carlos Carvalho" do Ano:


Qual é a diferença entre o Benfica e um táxi?

É que um táxi só leva quatro.

INCHA CABRÃO!!!



Rogério Alves: «Fanfarrão levou banho de humildade»

Vamos lá ver esse sorrizinho quando tirares o Maniche e o Machado do cú!

The final countdown

A poucos dias (no máximo semanas) de me tornar progenitor, devo advertir a clientela que, se a experiência passada demonstra alguma coisa, esta tasca se encontra em sério risco de despejo, como a sede do Fernando Nobre.
Aconteceu a muitos. Uns tiveram putos, outros cirroses. Por uma razão ou outra deixaram de servir ao balcão, embora ainda cá venham beber o seu copito, às escondidas da senhora.
De qualquer forma, e visto que toda a gente me avisa da tarefa colossal que me espera quando a minha filhota cá estiver, há uma séria hipótese de que, também eu, fique impossibilitado de manter ligada à máquina este cadáver de sete anos.
Como tal, meus amigos, é aproveitar enquanto dá. Entramos em liquidação total. Bebidas a metade do preço (excepto o medronho, porque já há pouco) e gratuitidade total no consumo dos rissóis de Junho de 2005 e dos pipis do ano passado.
Rock on.
E que sa foda a austeridade.

Novo éleron

Como não sei fazer nada de especial em termos informáticos - e temo apagar o precioso e extenso arquivo do Vodka - não mexo grande coisa no motor do tasco. Abro o capô, vejo se tem algum fio desligado, se tem óleo e água, e chega. Por isso vou-me entretendo ao meter uns élerons e uns dados felpudos no espelho da viatura.
Ah, e de vez em quando escrevo, assumindo o fardo pesado de todos aqueles pais fundadores que agora têm mais que fazer.
Adiante.
Tudo para chamar a atenção para um pequeno link aí à direita. Sim, o segundo onde diz "Outros tascos". É o "Ausências" ou "Tou Sempre Fora" (gosto mais deste nome), é escrito por uma senhora, que se encontra grávida. E que olha o assunto com o romantismo de um camionista embriagado, ou que é óptimo e me fez pensar que poderá conquistar solidariedade de alguns leitores desta famigerada espelunca. Vá, dêem uma vista de olhos que vale a pena.
Obrigados.

Uma boa notícia

Depois de, no post anterior, ter enaltecido os Suede, não é que os Pulp nos dão uma bela notícia?
É que os senhores, na sua formação clássica, se vão reunir para dar concertos, pela primeira vez em 15 anos? Por enquanto só há uma data num festival em Inglaterra e outra num festival em Espanha. Mas quem sabe se é desta que vou finalmente ver a minha banda preferida ao vivo?...
Que eu saiba só vieram cá uma vez, ao Porto, mas eu não sabia que os cabrões se iam separar, portanto não fui...
Para além de tudo, os Pulp têm uma qualidade rara: ouvindo um disco deles fico, na cabeça, com material para um livro de contos e um ou outro romance, de tal forma sugestiva são as letras e as atmosferas que Jarvis & Companhia sempre conseguiram criar. É o que acontece com esta fantástica faixa, que deixo aqui em jeito de homenagem. Uma música que me acompanhou muitos anos, muitos deles maus. Mas linda. Linda.

domingo, 7 de novembro de 2010

O Disco da Minha Vida XIII

Ia escrever umas linhas sobre o tímido ressurgimento de uma das bandas que mais marcaram a minha vida, quando me lembrei que ainda não tinha contemplado os Suede com qualquer capítulo da saga “O Disco da Minha Vida”. Portanto cá vai.

Conheci os Suede a meio dos anos 90, quando vieram cá a uma das primeiras edições do Sudoeste, num ano em que também os Blur passaram pela Zambujeira. Traziam para apresentar o seu disco mais recente, o fantástico “Coming Up”, que acabou por ser a minha porta de entrada para este grupo.

Eu fui daqueles que gostei profundamente da britpop. Blur, Suede e Pulp são das minhas bandas preferidas de todos os tempos, e os dois primeiros discos dos Oasis são, de facto, muito, muito bons. Mas se os Blur ficaram enormes, com toda a justiça, os Suede foram quase sempre uma injusta segunda linha, ao passo que os Pulp se mantêm, até hoje, como o segredo mais bem guardado da música britânica.

Contava que conheci os Suede através do “Coming Up”. É um grande disco, que faz a síntese perfeita entre o rock indie/glam dos dois discos anteriores com a faceta mais pop que marcou os seus últimos trabalhos. É um disco que me marcou muito, mas não é este o protagonista deste post.

Essa honra cabe a Sci-Fi Lullabies, cd duplo de lados B, editado depois de “Coming Up”. Para os fãs mais sérios de Suede, como o amigo Amarelo, os melhores momentos da banda foram os dois primeiros discos, alimentados pela dupla genial Bret Anderson/Bernard Butler, respectivamente vocalista e guitarrista, mais um capítulo da bela tradição de duplas compositoras britânicas: Lennon/McCartney ou Morrissey/Marr, por exemplo.

“Sci-Fi” é uma colectânea de lados B de singles dos Suede desde os primeiros tempos. A beleza desta banda é que, mesmo em lados B, os Suede nada tinham de experimental. Nunca conseguiram fazer uma música que não fosse profundamente pop. Por isso, para um fâ à espera de mais discos, descobrir um duplo cd com 27 músicas que eu nunca tinha ouvido, foi uma coisa extraordinária. E está lá tudo. As baladas algo melosas, o rock glam, a heroína, o aborrecimento britânico. Tendo em atenção que reúne músicas avulsas feitas ao longo de vários anos, o alinhamento é variado, não conceptual, e nunca farta. Este disco acompanhou-me durante muitos anos, e ainda hoje é o disco de Suede que, de vez em quando, meto a tocar.

Vi-os duas vezes ao vivo. A primeira, numa queima das fitas em Coimbra, num dia em que fiquei sem bateria no carro à saída do concerto. E anos mais tarde, na Aula Magna, num grande concerto.

Os Suede sempre foram uma banda de que não era cool gostar. Havia algo de gay na sua atitude, e durante muitos anos isso foi duro para um sério fã de rock n roll como eu. Mas as músicas, as melodias, são uma das coisas mais extraordinárias do fim do século XX.

Acaba de ser editado um Best Of dos Suede, que já é o segundo da sua história, depois de “Singles”. Não traz nada de novo para um fã da velha guarda, mas pode dá-los a conhecer a novos ouvintes, que eles bem merecem. Juntaram-se também para uns concertos de promoção à colectânea, mas nada indica que se voltem a juntar, enquanto banda, para criar música nova. Os seus últimos discos já davam mostras de alguma exaustão criativa, embora continuassem a ser bons discos. Eu cá, nestas coisas, gosto sempre que as minhas bandas preferidas se voltem a juntar, mesmo que façam merda. Troco esse risco por um disco novo, sem problemas.

Tendo em atenção que, sendo um disco de lados B (mesmo que esteja recheado de potenciais êxitos), não há qualquer videoclip de uma música de “Sci-Fi Lullabies”, deixo-vos a primeira música de Suede que ouvi. “Trash”, de “Coming Up”, só um dos melhores singles pop de sempre. Espero que gostem.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Obrigado pela atenção, agora desandem, sff.

Já tive vários amigos e amigas que, nesta altura, insistem em marcar cafés e jantares comigo e com a minha esposa. E com o argumento de que ainda não a viram gorda.
Nos últimos meses, eu vejo-a gorda todos os dias, e é bastante menos espectacular do que esta gente indicia. Não percebo esta cena, sinceramente, esta obsessão com “vê-la gorda”. Eh pá, juntem-se ao clube de fãs da Simara, ou coisa assim, cambada de freaks.

Deus Não Dorme

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Alegria, minha gente

Porque é quase, quase fim de semana.

Completely GaGa

Este é um post sobre música que não terá, no fim, o habitual vídeo. Aliás, pensando bem, este não é um post sobre música, mas sim sobre a indústria musical.
Lendo revistas e sites sobre música, ou vendo televisão, há uma personagem que está em todo o lado: Lady GaGa.
A menina descascada; a menina vestida de bifes; a menina vestida como um cagalhão com um laçarote.
Depois os números: milhões de discos vendidos, prémios MTV e merdas parecidas em barda, milhões de seguidores no facebook, milhões de dólares, milhões de tudo.
E, na base de tudo isto, está o quê? Um disco.
Exacto.
Um disco. Unzinho. One. Um só disco.
E uma bela merda, por sinal.
Aliás, minto. Já são três discos. Um de originais; um que mistura faixas novas com outras do primeiro; e outro de remixes.
Só falta uma compilação e um disco ao vivo, para mostrar como a mesma poia pode ser formatada e reembrulhada de inúmeras formas: merda, cagalhão, diarreia, etc, etc....
Lembro-me bem, de quando o disco saiu, da crítica da Blitz. Um paneleiro qualquer deu-lhe umas 3 estrelas (mas queria ter dado quatro, o maroto) e elogiava a forma desavergonhada como a senhora fazia pop.
E este é um dos problemas.
Smiths era pop. Beatles era pop. Lily Allen é pop. Lady GaGa é merda.
Eu adoro música. E música, para mim, é em grande parte melodia. Não é preciso necessariamente grande mensagem, grande substrato, grandes ideias. São precisas boas melodias, frescura, adolescência, juventude, garra e sonho.
Esta menina gaga é apenas mais uma desta indústria, a que chamo fábrica de merda. Que paga produtores a peso de ouro para lhe escrever as músiquinhas e mascarar as falhas na voz. Que se distingue apenas pelas fatiotas e pelo mais que gasto truque da provocação sexual/religiosa. Que não vale, pardon my french, um caralho.
É claro que os milhões de fãs de Lady Gaga são pré-adolescentes. Que gostam de outros grandes montes de bosta como Tokyo Hotel, Katy Perry ou My Chemical Romance, por exemplo. Mas isto não é o errado. A pop sempre foi terreno de pré-adolescentes, quer gostassem de Bros, da Sabrina ou do David Fonseca. É mais grave é quando gente de barba rija e com idade para ter juízo, começa a abichanar com estas merdas de frases como "pop descaradamente simples e provocadora". Desligar o cérebro e abrir o cu.
Esta senhora tem um disco, e uma gigantesca máquinade marketing. E isso, mais uma vez e mais do que nunca, basta.
Ainda por cima sem a originalidade dessa rainha da bosta fumegante, Madonna, que sempre foi terrível demais para ser verdade, mas cuja provocação ainda tinha algo de novo, ainda que a sua música não.

Pop não tem que ser acéfala, como não tem que ser erudita. Mas tem que existir. E um vestido de bifes é apenas isso, uma coisa estúpida. E uma melodia vale, sempre, muito mais o que isso.

PS - na imagem acima, deixo-vos o melhor ângulo da Lady Gaga. De costas, de cu ao léu, até disfarça.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

La famiglia

Depois de Bagão Felix e os seus discursos “a la” Vitorino Nemésio, também Manuela Ferreira Leite voltou à conversa de olhar o orçamento do país como quem olha o orçamento de uma família. Diz a senhora, e bem, que quando uma família gasta mais do que ganha, tem de se endividar para pagar esse acréscimo, o que é uma bola de neve de endividamento a médio prazo. Tem razão. Mas ela usou este argumento para dizer que este Orçamento do Estado para 2011 tem de ser aprovado, sem se demorar – e ela tinha toda a autoridade moral do mundo para o fazer – sobre os culpados.


É que se este OE fosse equiparado ao orçamento de uma família, então José Sócrates seria o filho drogado, que vende o televisor e a bimby, que são de todos (privatizações), para gastar em droga (a dependência pública de mordomias e financiamento de má gestão).

Numa família, o filho drogado Sócrates já teria sido, finalmente, posto fora de casa, depois de várias tentativas fingidas de se recuperar do vício.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Quase decidido

O senhor Fernando Nobre tinha tudo para dar certo. Obviamente não para ganhar eleições, que essas coisas dos independentes é erva que não cresce na tuga. Mas para ser uma lufada de ar fresco no meio desta ETAR a céu aberto que é a política nacional.
Acontece que o senhor é um bocado tenebroso, com aquele olhar sempre de lado, falando como se estivesse sempre a remoer os restos do almoço, enfim.
Agora apareceu uma muito engraçada, obviamente uma notícia encomendadíssima, de que o senhor está prestes a ser despejado da sua sede de campanha em Lisboa, por falta de pagamento da renda.
Ora aqui está um bom argumento para votar neste senhor. Ora aqui está o único candidato que pode dizer que se identifica com o eleitorado, ao ponto de passar por um problema - dívidas, dificuldade em lhes fazer frente e uma ordem de despejo à vista - que assola muitos portugueses.

Não acho o gajo grande espingarda, é verdade. Mas respeito o seu percurso. E depois da desilusão da proposta do PC, do facto de Cavaco ser Cavaco e Alegre ser Alegre, enfim, a minha decisão fica bastante facilitada.

Feliz cumpleaños, Dieguito

Sentida e respeitosa homenagem dupla do Vodka Atónito, que se curva perante o maior de todos.